Você tem fome de quê?


Quem não me vê desde fevereiro toma um susto e, imediatamente, me pergunta como eu fiz para emagrecer, naturalmente esperando que eu indique uma fórmula mágica ou o nome de alguma nutricionista milagrosa.

Quase sempre percebo que minha resposta é decepcionante: não tem segredo. Fechei a boca, comecei uma reeducação alimentar séria e passei a praticar exercício físico 4 vezes por semana, com obediência.

A gente tende a achar a grama do vizinho mais verde, esquecendo-se de perguntar quantos quilos de adubo, litros de uréia ou tempo de jardinagem ele dedicou até chegar àquele resultado. É sempre mais fácil culpar a ineficiência de nosso jardineiro ou a origem duvidosa da terra que usamos em nosso jardim que reconhecer que estamos sendo desleixados. Estamos sempre à procura de um atalho, um caminho mais fácil que nos leve ao nosso objetivo em tempo recorde, sem muito sacrifício.

Já reparou como todo mundo que está acima do peso tem uma desculpa na ponta da língua pra se justificar? “Meu metabolismo é lento”, “Tive duas gravidezes”, “Já passei dos 30”, “Tenho distúrbios hormonais”, “Não tenho tempo pra exercícios”. Você nunca ouve um sincero: “Eu engordo porque como muito e sou sedentário”.

Eu mesma me escondi por trás dessas desculpas durante muito tempo. Elas de fato eram verdade: eu já passei dos 30, tenho distúrbios da tireóide, meu metabolismo é lento e já engravidei duas vezes. Mas e daí? Será que eu não estava agravando a situação com meu sedentarismo e minha alimentação inadequada? Eu vinha fazendo a parte que dependia só de mim?

Para a idade, não tem remédio. Não posso querer, aos 38, ter o peso e o corpinho que tinha aos 20 anos. Mas para tireóide, há hormônios. Para metabolismo lento, há atividade física e dieta específica. E, para compulsão alimentar, há um negócio chamado vergonha na cara!

Muitas vezes o que a gente tá precisando é de uma psicóloga e não de uma nutricionista para resolver o problema da ansiedade, que nos conduz à compulsão. Identificar qual engrenagem está desregulada é imprescindível para controlar a compulsão alimentar. A gente não come demais à toa.

O que leva alguém a comer? Fome, vocês poderiam responder. Afinal, é um instinto natural de preservação: comer quando se tem fome; sentir fome, quando se precisa de alimento. Ah, se fosse simples assim!

O ser humano é um bichinho complexo. Desde pequenos, somos induzidos a confundir alimento com carinho. Basta chorar e lá vem o peito materno nos consolar. Quando crescemos, nos ensinam que comer e raspar o prato é uma forma de agradar as pessoas que amamos: “come, come, come que a mamãe fica contente”. Quando ficamos adultos, comer em grupo passa a ser um ritual utilizado para comemorar eventos especiais e quem não participa dessas ocasiões acaba virando um pária, que ninguém convida para mais nada.

Há muito tempo, comer deixou de ser um ato suficiente apenas à nossa subsistência e passou a ser a fonte de muitos de nossos problemas. Não é uma incongruência que o país do Fome Zero seja também o país com taxa de 15,8% de obesidade?

Um belo dia, me vi numa foto, ao lado das minhas irmãs, e tomei um susto! Foi um santo remédio. Um tapa na cara que me fez acordar e enxergar minha verdadeira situação.

Sabe quando a imagem real não corresponde à imagem que fazemos de nós mesmos? Eu não me via daquele jeito, mas eu ESTAVA assim, não dava mais para negar.

Como cheguei àquele ponto, eu não sei exatamente, mas posso dizer que foi o resultado da complacência reiterada durante anos a fio, depois que me tornei mãe. Não bastasse compensar minha ansiedade na comida, eu estava relegando totalmente a atividade física a um nível insignificante no meu dia a dia.

Revendo minha vida deste ponto em que estou, concluo que desde que as meninas nasceram foram poucas as épocas em que mantive a atividade física como parte fixa em minha rotina. Desde que nasceu a minha caçula, então, foi o caos. Eu sentia uma leve culpa por me ausentar para cuidar de mim. Imaginava que elas sentiriam minha falta, que eu era imprescindível naquele momento, que algo terrível lhes poderia acontecer. Que eu já me ausentava 8h por dia por causa do trabalho, não teria o direito de sumir por mais tempo. Some-se a isso o gosto pelas panelas e um apetite imensurável e você encontrará o caminho que estava me guiando à obesidade.

Sabe como eu consegui mudar o meu ciclo de sedentarismo? Apertando minha agenda. Eu costumo dizer que encontramos tempo para fazer tudo o que gostamos e desculpas, para deixar de fazer todo o resto.

Vivo levando minhas filhas pra cima e pra baixo: aulas de inglês, catequese, natação, balé, o diabo a quatro. E se eu tirasse proveito da minha função de mãetorista e começasse a fazer algo por mim, nesses intervalos? Caminhar já seria um bom começo, mas encaixar uma aula de hidroginástica seria melhor ainda. E Pilates, que tal? Dá pra encaixar Pilates nos horários da aula de inglês? Tanto melhor!

E fez-se a luz!

Eis que hoje eu já não sou mais sedentária. Incorporei, SEM CULPA, a atividade física de forma definitiva na minha vida e estou a dois passos do paraíso. Falta pouquinho, mas eu chego lá. O mais difícil eu já fiz: parei com as desculpas e assumi a inteira responsabilidade pelo meu corpo, minha saúde e meu futuro. Nunca é tarde.

Um final de semana iluminado a todos!

Claudinha

___

 

Fonte da imagem: aqui.

    Postado por Feito a Mão em conversa fiada,papo de mãe,saúde | Comentários (43)
    

    43 Comentários to “Você tem fome de quê?”

    1. Que ótimo texto, acho que esse foi um belo “tapa na cara” pra mim Claudinha! RElmente, desculpas e mais desculpas não resolvem nada! Devemos sempre dar o primeiro passo! Preciso encontrar meu equilíbrio, perdido há tempos! bjão!

      • Feito a Mão disse:

        Fabi, pois é! Nós somos novas, Fabi. Vc mais ainda. A gordura envelhece, causa problemas de saúde e riscos à nossa vida. Bora mudar, amiga. Bjk

    2. erika disse:

      Claudinha, seu post caiu como uma luva pra mim… estou bem acima do meu peso e invento mil desculpas justamente pra mim mesmo pra não começar uma dieta… Já comecei inumeras vezes mas a força de vontade vai minando ao longo dos dias… o que sempre me atrapalhar muito é a falta de criatividade dos pratos para dieta… olho nos sites de revista entre outros lugares e as receitas geralmente são de bolos lights (que eu não sou acostumada a comer obolo com frequencia) e de lanches afim de amenizar a culpa de quem os tá comendo… e sinceramente viver de sopa e salada todos os dias não é o desejo de todo mundo… sei que conhecendo sua afinidade com a culinária deve ter juntado boas “trocas” de alimentos como a moussaka vegetariana… não quer dividir com a gente??? bjs

      • Feito a Mão disse:

        Erika, vc viu os últimos posts? Estão nessa linha mais light. Pois é, agora, quando como algo mais gorduroso, meu organismo estranha: sinto um mal estar, um peso no estômago, a digestão fica mais pesada. Acho que meu organismo já está ficando limpo. Vou continuar postando as coisinhas gostosas e lights que estou fazendo. Bjk

    3. Marta disse:

      Claudinha….adorei o texto..realmente é verdade..a gente sempre arranja má desculpa…mas tb sei que preciso fechar a oca e fazer exercícios….estava fazendo aeróbio, mas deve ter 1 mês que parei…sem motivos, pois minha mãe fica com Miguel nessas horas….
      Quando voltar a trabalhar será complicado…não trabalho perto de casa e ao chegar em casa tenho o meu pequenotas cuidar(que vai ficar com minha mãe)… E ainda tem as coisas de casa para cuidar….
      Mas acho que fechar a boca será um grande avanço…rssss
      Beijossss

      • Feito a Mão disse:

        Ai, Martinha, essa fase que vc tá é tão complicada, amiga. Era nessa fase que eu me sentia mais culpada. Tinha medo de deixar minhas filhas com babás. A Clarinha só teve babá quando eu voltei a trabalhar. Eu era tão controladora, sufocava minhas crias. Hoje vejo que eu poderia ter começado antes a me cuidar. Mas tudo tem seu tempo. Nunca é tarde para despertar. Boa sorte nessa adaptação. Bjk

    4. Faz tempo que não comento, mas sempre estou aqui lendo seus post. Concordo com você, não existe um milagre para emagrecer. Na minha opinião o sobrenatural é só para quando não podemos agir, e nesse caso emagrecer é possível. Eu perdi 9 kg esse ano mudando os hábitos alimentares. Ainda estou precisando perder mais, e sei que este agora é saindo do sedentarismo. Só faço caminhada, pois financeiramente ainda não consigo unir mais uma atividade física. Aproveito as academias ao ar livre para exercitar, mas estou relaxada, eu sei, preciso melhorar. Muito bom seu post!

      • Feito a Mão disse:

        Pelo menos vc é disciplinada, Priscila. Eu preciso assumir um compromisso pra poder fazer exercícios. Me encontrei no pilates. Juro! Faço com um prazer imenso. Se pudesse, faria umas 3 horas por dia, todo dia da semana. É tão relaxante!

    5. Daniela disse:

      Claudinha,
      já emagreci 20 kg, ao longo de 3 anos. Ao longo do processo vi pessoas apostando que eu usava remédios. Não acitavam que eu pudesse perder peso só com RA e exercício. Demorei tanto tempo assim pq me falta disciplina. Parava os exercícios, segura o peso com um pouco de dieta ou até engordava um pouquinho e depois voltava novamente. Nos últimos 8 meses engordei 10 kg novamente, por “comer as minhas emoções”. Para muitas de nós, a balança reflete nosso estado de espírito e nenhum remédio pode ser melhor que uma terapia para nos ajudar a controlar o emocional.
      Já resolvi meu problema pessoal e agora vou tentar me disciplinar na prática diária do exercício físico.
      Vá com fé e não interrompa sua nova rotina!

      • Feito a Mão disse:

        Daniela, ê isso mesmo. Tudo tem a ver com nosso estado emocional. Se incorporarmos hábitos saudáveis e diagnosticarmos o que nos leva a perder o controle, metade do problema está resolvido. Boa sorte na eliminação desses 10kg.

    6. Karin disse:

      Obrigada!!! Mil vezes, obrigada!

    7. lili disse:

      Fiz o mesmo a alguns anos e também tive ótimos resultados.Reeducação alimentar+exercicios é infalível, mesmo que a sua tireóide se arraste.

    8. Flávia Rosolem disse:

      Oi Claudinha! Que ótimo texto!
      Nao vou mentir e dizer que vivo lutando com a balança para emagrecer porque o meu problema sempre foi exatamente o oposto. No entanto essa minha magreza passa uma imagem (errada) de que eu controlo rigorosamente aquilo que eu como e de que eu me exercito com muita disciplina. Tudo mentira. Eu sou uma formiga. Nao posso ver um doce que ataco sem pensar duas vezes. Eh por isso também que eu faço tanta questão de tentar ensinar minha filha a ser diferente. Gostaria muito que para ela fazer as escolhas certas fosse natural, e nao um sacrifício. Quanto ao meu sedentarismo, já foi um pouco diferente. Nunca frequentei

    9. Flávia Rosolem disse:

      Ops… O iPad me pregou uma peca e enviou minha mensagem antes do fim…
      Como eu ia dizendo, nunca frequentei academia, mas sempre andei muito por nao ter prazer em dirigir. Na cidade onde eu moro hoje, andar nao eh uma alternativa, então eu tive que me conformar em dirigir. E minha filha ainda limita uma das únicas atividades físicas que eu tinha prazer em fazer, que era hiking. Enfim, como você disse eh sempre mais fácil arrumar desculpas do que assumir a nossa responsabilidade. Vou tentar também mudar esse meu estilo de vida sedentário. E por ela também, afinal ela merece uma mãe mais saudável, nao?
      Obrigada por sacudir a todas nos com uma boa dose de verdade.
      Beijos

    10. Shirlei Guedes disse:

      Éh Claudinha, essa foi direto pra mim, tenho que confessar! Tenho todas essas desculpas sempre na ponta da lingua, enquanto lia seu post, sentia como se estivesse me ouvindo. Definitivamente agora não dá mais pra continuar nesse ciclo vicioso de preguiça e desculpas. Hoje, me comprometo a mudar minha conduta e assumir as rédeas da minha vida com escolhas mais saudáveis e conscientes. Bjos, obrigada pelo chacoalhão e em breve vou te mandar boas notícias ;) )

    11. Oi Claudinha estamos em sintonia, hoje meus post foi sobre o mesmo assunto, embora eu não tenha ainda alcançado meus objetivos.
      Gostei da maneira como vc colocou a relação de quem come a comida e esta acima do peso, as pessoas nunca assumem que come muito, vejo um monte de gordinho dizendo, mas eu como pouco, mas bebem cervejas aos montes rsrs.

      bjs

      Gélia

      • Feito a Mão disse:

        Li teu post, Gélia. Vc faz ginástica sozinha? Que disciplinada, hein? E todos damos algumas escorregadelas, mas o importante é manter o rumo depois. Bjk

    12. Silvia disse:

      Oi Cláudia! Muito legal esse seu texto! A mais pura verdade. Tem uma semana que comecei a fazer uma reeducação alimentar com uma nutricionista e vou fazer acompanhamento com uma psicóloga. Estou muito animada e lendo seu post fiquei mais ainda. bjks

    13. Auxiliadora disse:

      Amiga, fico imaginando quantas pessoas você não alcançou com sua narração! Eu me coloco no rol dessas pessoas! Nossa! Suas palavras foram contundentes! Você nos permitiu acordar e observar que praticamos todas as coisas mencionadas por você, e tudo muito inconsciente…
      Você está de parabéns mais uma vez! Amei as suas colocações.
      Bjs

    14. Julia disse:

      Claudinha, que texto maravilhoso!! Eu sempre adorei seu blog e seus posts tão bem escritos, ler seus textos sobre reeducação alimentar e hábitos mais saudáveis, que são assuntos tão presentes na minha vida é melhor ainda!!
      Parabéns por todas as mudanças e por compartilhar de forma contagiante esse caminho de sucesso! Tenho certeza que ajudará muita gente!!!
      Beijão e ótimo final semana!

    15. Danielle disse:

      Adorei!!! Juro que eu tento, mais não tenho neuma força de vontade, e não sei aonde encontra-la. Já parei das fases das desculpas, sei que como errado, não faço exercícios, todo dia penso em fazer direito, e já começo tudo errado. Preciso e muito encontrar o meu ponto de partida, como foi a foto no seu caso…..
      bjinhus linda…. bom fds!

      • Feito a Mão disse:

        Danielle, eu passei muito tempo esperando essa força de vontade cair do céu. Ficava me justificando que a moda era opressiva, só fazia modelos pra magras, que essa ditadura de magreza era frescura, que beleza não põe mesa, que mulher bonita e magra não pode ser também inteligente – como se fossem qualidades opostas – que homem gosta de carne e que quem gosta de osso é cachorro… Enfim, usei todos esses chavões e clichês para ir prorrogando meu estado passivo. Até que acordei. Pode vir numa foto, num comentário jocoso que alguém querido faz, ou simplesmente um vestido antigo que não fecha mais. Não importa. Um dia esse estalo vem.

    16. Lilia Faria disse:

      Claudinha, mais que perfeito!! Adorei o texto. Assino em baixo e não retiro uma vírgula.
      E vamos parar com as desculpas e ter mais vergonha na cara, né?
      Beijos

    17. Mariana disse:

      Oi Claudinha, adorei o texto, aliás adoro tudo no seu blog, tem tudo a ver conosco, mães, profissionais, esposas…etc… Sempre lutei contra a balança, ao contrário de muitas minha genética sempre me ajudou a ser gordinha e nos últimos anos estava obesa mórbida, tentei de tudo, remédios, médicos, dietas, etc… o que resolveu me problema foi uma atitude drástica e definitiva. Há 6 meses fiz redução de estômago e já emagreci 36kg. Foi muito difícil no começo, pra ajustar a cabeça de “elefante” ao estômago de “formiga”, mas hoje estou ótima, não sinto falta daquela quantidade enorme de comida que eu ingeria. Minha vida mudou completamente, parece que eu acordei de um encanto que já durava anos!!! Claro que esse é o extremo, mas eu cheguei á conclusão de que só ajustando a dieta e fazendo exercícios agente consegue, a cirurgia foi pra mim uma grande ajuda, mas hoje tenho conciência de que se tivesse me cuidado antes não precisaria dela!! Bjs.

      • Feito a Mão disse:

        Oi, Mariana, realmente vc disse tudo: “só ajustando a dieta e fazendo exercícios agente consegue”. Fácil não é, mas é gratificante. Ontem gastei os 200 reais mais bem gastos desse ano. Levei à costureira uma sacola cheia de roupas pra apertar. Estava sem ter o que vestir, mas dessa vez, por um ótimo motivo!
        Parabéns pela mudança. Não é fácil. Conheço várias pessoas que não cosneguiram substituir o prazer de comer por outro e acabaram engordando tudo de novo, depois de um tempo. Vc foi muito forte.
        Um abraço,
        Claudinha

    18. Flávia-Caiê disse:

      Parabéns Claudinha!
      Isso mesmo, chega de desculpas e MEXA-SE. Tome uma ATITUDE na vida! Isso vale muito.
      As pessoas atualmente querem tudo pelo método mais fácil, esforço, nem pensar.Mas se querem saúde tem que se esforçar;reeducação alimentar e exercício físico.
      Tô na luta tb!
      Bjão

      =)

    19. Diuceia Ribeiro disse:

      Como todas já comentaram, acertou em cheio no texto. Normalmente quem luta com a balança, sabe decor o que é necessário pra mudar, mas se apoia nas desculpas.
      Eu adoro malhar, apesar de ter ficado dois anos longe da academia, por não ter encaixado na minha rotina, hoje faço spinning e pilates com frequência, no entanto não estou conseguindo emagrecer, pq tem q aliar a alimentação. Acontece que perdi meu marido há 9 meses e coloquei na cabeça q não iria me privar de nada, no entanto sei que irei me sentir bem melhor se perder os quilos extras, e devido ao que tenho passado, focar em cuidar mais de mim, tem me ajudado muito. Hoje comecei uma reeducação, junto com duas colegas no trabalho pra dar mais força, espero não desanimar e seguir enfrente, até conseguir os resultados que almejo. Abçs,

      • Feito a Mão disse:

        Diuceia, nós costumamos compensar nossas angústias, ansiedades e medos na comida. Não é à toa que engordamos e emagrecemos durante a vida. Por um tempinho curto, até que não faz mal, mas a longo prazo, podemos estar nos sabotando, não é? Espero que vc esteja bem melhor, que consiga canalizar a dor e a perda de uma forma mais saudável, pois, como vc disse, irá se sentir bem melhor se perder os quilos extras.
        Se precisar conversar, estou aqui. Bj

    20. Claudinha, esse seu post é sensacional! Acho que vc disse tudo na seguinte frase: “Eu costumo dizer que encontramos tempo para fazer tudo o que gostamos e desculpas, para deixar de fazer todo o resto.” Eu assumo que sou exatamente assim. Tenho tempo de sobra pras coisas que eu gosto ou teimo que tenho que fazer e nunca tenho tempo de ir ao médico, de colocar a casa em ordem, de renovar documentos e outras coisas chatinhas! A atividade física faz parte da minha vida desde os 23 anos e estou com 39. Desde os 23 eu pratico alguma coisa, mas o que me conquistou definitivamente foi a musculação. Há 5 meses estou fazendo aulas de boxe duas vezes por semana e estou adorando, principalmente porque tem muita aeróbica e eu odeio correr, pedalar etc. Então as aulas servem como um complemento para a musculação e são bem divertidas! Mas só exercício não adianta! Foi como vc escreveu, manter ou voltar ao peso ideal envolve uma série de coisas. No meu caso, o mais difícil de controlar é a alimentação. Não sou muito chegada a doces, mas adoro pizzas, frituras e uma cervejinha gelada! Antigamente eu controlava as quantidades do que comia e não repetia os pratos. Hj em dia repito várias vezes e o resultado foram os pneuzinhos e a falta de vontade de comprar roupas que me perseguem há uns 2 anos. Fiquei usando a idade, as viagens de fim de semana e o metabolismo mais lento por um bom tempo e concordo com vc que isso é só uma desculpa! Quando eu começo alguma coisa com muita vontade de que dê certo, vou até o fim e sou super disciplinada, mas estou tendo muita dificuldade em começar a me alimentar melhor e controlar as porções. Quando estou de folga trabalhando em casa, a coisa piora: como fora de hora e o tempo todo! Acho que o seu exemplo é um baita incentivo pra gente parar de se esconder atrás de desculpas e correr atrás dos nossos objetivos! Um grande beijo e obrigada pelo alerta!

      • Feito a Mão disse:

        Katinha, vc tem um corpo bem trabalhado, esses 4 quilinhos que vc diz estar em excesso, só vc os vê. Quero ficar assim, bem condicionada e fazer da atividade física uma rotina tão incorporada ao meu dia a dia, como ir ao trabalho ou levar as meninas nas aulas extracurriculares.
        Fiquei tão triste que não cosnegui falar com vc hoje. Vou tentar no seu celular. Daqui a pouco. Feliz aniversário!

    21. Monique disse:

      Hoje você foi a luz pra mim, obrigada!!!Te acompanho sempre mas hj vc se superou, falou como se me conhecesse…Obrigada mesmo!!!bjs

      • Feito a Mão disse:

        Foi mesmo, Monique? Acho que é porque no fim das contas todas as mulehres são muito parecidas. Eu falei pra mim mesma. Atirei no que vi e acertei no que não vi.

    22. Simone disse:

      Oi, Claudia. Também tenho 38 anos e estou acima do peso…muito. Desde quando casei já engordei 17 kilos. Já fiz tratamento com nutróloga e só consegui perder 4 quilos . Sei bem o que me faz engordar.. Quanto mais gorda mais triste fico. Na verdade tenho até vergonha do meu esposo. Ele diz que estou ótima…mas eu me sinto um horror.
      Conclui: Tenho uma filha( que é um amor – 13 anos) do meu primeiro relacionamento e 2 intimados ( 22 e 19 anos) do primeiro relacionamento do meu esposo…eles moram conosco…
      Obrigada pela postagem.

    23. Estava perambulando pela net e encontrei seu blog, comecei a olhar e achei interessante seu interesse em ajudar outras mães e isso me motivou a fazer um pedido muito inconveniente, minha nenem de 17 dias minha Helena, faleceu a espera de um leito de UTI, fiz um blog em homenagem a ela e também para tentar iniciar uma campanha por mais leitos de uti ou apenas para conscientizar outras mães sobre o problema, preciso de repercussão será que pode me ajudar? ainda não tenho linke-me mas em breve vou fazer, um abraço e que Deus abençoe você e suas crianças assim como peço que ele abençoe cada mamãe que passa por aqui

    Coloque seu comentário

    Por favor, preencha os seus dados e comente abaixo.
    Nome
    Email
    Website
    Seu comentário